19/02/2016

LEITORES BETA

Click do Felipe Helmeister


O escritor é um caçador solitário, mas este livro não estaria aqui se não fosse por um bando de gente tão louca (ou obcecada) quanto eu. Por isso agradeço primeiramente à minha agente, Siobhan Mitchell e sua assistente Sarah O'Connor pelas incontáveis leituras, correções e apontamentos nas dúzias de versões pelas quais o texto passou. Agradeço também à meu editor Robert Sullivan e todos na Evergreen Press - especialmente a Margareth Talbot, Clare Davis e Susan Montague (te devo aquele crumble) -  pelo cuidado, paciência e carinho com que trabalharam este livro desde sua primeira ideia, há cinco anos. Não poderia esquecer de minhas talentosas amigas, a escritora Viola Corman, Deborah Sanders e Lupita Ramirez pelos valiosos conselhos durante a leitura - vocês detonam! Por fim não poderia deixar de agradecer ao meu marido, Bob Burns, que me deu todo apoio estrutura (e ouviu atentamente incontáveis leituras deste livro madrugada adentro) para que eu pudesse realizar este sonho. Você é o protagonista masculino da minha vida. 
Estes são agradecimentos fictícios (de uma mulherzinha...), uma versão condensada que criei, baseadas em tantos e tantos "acknowledgements" reais que encontro por aí.



Estou terminando a primeira versão de meu novo romance. Mandando para alguns "leitores beta", me perguntando quem poderia me auxiliar em questões específicas.

Nessas horas, sempre me lembro de "agradecimentos" como os acima, que encontro no fim das traduções de livros, com dezenas e dezenas de nomes de leitores, editores, agentes, gente envolvida na produção do livro. Talvez lá fora a coisa seja mais profissional. Talvez os livros que cheguem aqui para eu traduzir sejam o que tenham passado por um processo maior, mas sempre me impressiona a QUANTIDADE de gente que se dispõe a ler (mais de uma vez) os originais antes de o livro ser publicado.

Eu sempre tenho a sensação de que estou esmolando - "eu... queria pedir uma coisa... se não fosse incômodo... poderia... poderia dar uma lida no meu livro novo... por favor... me dizer o que acha...?" Mesmo quando me encomendam o livro, sinto um incômodo de pedir uma leitura de quem encomendou. Talvez seja um caso particular, porque o que eu escrevo não presta.

Ou talvez seja por conhecer o outro lado. Diariamente chegam na minha caixa postal, no meu Facebook mensagens de leitores-autores pedindo uma leitura, uma opinião, uma orelha. Não tem como dar conta. Além dos livros que leio para resenha na Folha, que faço leitura crítica para editoras, há o fluxo interminável de lançamentos de amigos, colegas, conhecidos. Eu procuro ler, tenho prazer e acho importante, mas se não me policio acabo só lendo literatura brasileira contemporânea. E quase só literatura brasileira contemporânea RUIM.

Esta semana me dei ao luxo de virar uma noite lendo Tolstoy ("Polikuchka", delicioso, e apenas 140 páginas). Depois me peguei culpado porque emendei num Chuck Palahniuk maiorzinho ("Haunted" - "Por que você perde tempo lendo mais um Palahniuk, Santiago? Tem uma dúzia de amigos que você ainda não leu. Tem aquele menino que te pediu uma frase pra contracapa. Que seja então Graciliano! Se é para ler estrangeiros que sejam os clássicos!")

(Isso quando não viro a madrugada jogando videogame...)

Verdade que muita gente que pede leitura/opinião quer na verdade elogio/editora. Suspeito que a maioria nunca tenha de fato lido um livro meu - "Adorei o Biofobia", vem na mensagem como para dizer "li o seu, agora leia o meu" - que acredite que eu possa ter algum tipo de influência em editora. Ano passado mesmo, escrevi para o material de trabalho de um jovem autor, dono de um conhecido blog de literatura, e depois que me dei conta: o blog dele nunca deu uma linha sobre meu trabalho.

Mas tudo bem. Às vezes compensa.

No final do ano recebi de um amigo (autor inédito) os originais de um romance, e quando me preparava para me retorcer em arrependimento por ter me oferecido, tive a surpresa de encontrar um grande texto. É raro.

Quando o texto não é lá grande coisa, a amizade fica comprometida. Dois bons amigos se tornaram amigos mais distantes depois que critiquei (em particular) seus originais. Ou acharam que falei merda ou se convenceram de "quem é ele para me criticar?"

Nunca é fácil. "Dar uma lida" para opinar exige dar duas ou três lidas, sublinhar passagens, anotar, depois escrever opiniões e sugestões (nesse meu último caso, deu três páginas de texto). E eu próprio não me considero apto a ensinar ninguém a escrever - não dou oficinas, não serei picareta de faturar com a ilusão alheia.

Esse talento de leitor - de parecerista, de orientador - deveria ser mais valorizado. Por aqui raramente se encontra isso, mesmo dentro da editora - raramente tive um trabalho de edição nos meus livros; alguns não tenho nem certeza se alguém lá leu, além do revisor/diagramador. Talvez seja essa a diferença lá de fora. Leitores beta são valorizados porque são pagos. As editoras pagam por as editoras ganham. Ou o autor mesmo tenha condições de bancar. É o autor quem mais ganha com isso.  O autor e seus leitores gama, que pegam um livro mais bem cozido.

Esta foto ilustrará eternamente nosso ofício. 

10/02/2016

GAIA



A nova moradora daqui de casa. 


Seis meses depois da morte da Asdinha, arrumamos um novo coelho. Eu queria há um tempo, e estava só esperando passar minha viagem para a Armênia e o final de ano. Como ouvi tanto as campanhas desestimulando o comércio de animais, incentivando a adoção, fiquei de olho em quem teria um filhote saudável para doar. Semana passada recebi o contato de uma menina que estava com uma ninhada, e trouxe esse filhotinho para casa. 



Batizei de Gaia, tirei do sobrenome da menina que me doou. Como ainda não tem três meses de idade, ainda não sabemos o sexo. Eu preferiria uma fêmea e por enquanto estou tratando assim. Mas também pode ser "O" Gaia, que tá beleza. 

Por enquanto tem um temperamento bem diferente da Asda, que já chegou aqui em casa lambendo a gente, subindo no colo. Nos primeiros dias, Gaia ficou bem arredia, com medo, agora já está se acostumando. Já subiu no colo e pediu carinho, mas em vez de dar lambidas ela dá mordidas na minha mão, quando eu paro de fazer carinho. E já conseguiu entrar atrás do meu PC e roer o cabo do modem.

Coloquei a bandeja de higiene dela na área de serviço, onde fica água e comida, e até agora, em uma semana que ela está aqui, não fez cocô e xixi NENHUMA vez fora do lugar. Sei que isso pode mudar quando o coelho atinge a maturidade sexual. Asda aprendeu bem a usar a bandeja também, mas vez ou outra insistia num xixi no sofá.

No geral ela fica tranquila, mais na dela, menos carente. Vamos ver conforme ela for crescendo, se acostumando com a gente, a gente se acostumando com ela...

Para quem pensa em ter um coelho, dá uma espiada num post antigo que eu fiz. Acho que eu não mudaria muita coisa.
http://www.santiagonazarian.blogspot.com.br/2015/03/atualizando-coelha.html

Já conquistou o Murilo. 




04/02/2016

SAMBINHAS BIZARROS



"A verdade é que nem quando eu gostava de carnaval eu gostava de carnaval", disse bem Tati Bernardi. Concordo totalmente. Quando eu era mais novo, solteiro, eu me esforçava (porque afinal no carnaval as coisas acontecem), mas é sempre um alívio não ter de fazer parte.

Também acabamos de receber uma nova filha aqui em casa - GAIA, uma coelhinha filhote que veio para ficar (embora ainda não tenhamos certeza se é Gaia fêmea mesmo, porque ela é muito pequena. Talvez seja um Gaia MACHO… ou quase). Então nada de viagens este ano. E passaremos longe de bloquinhos. Mas pretendemos aproveitar um pouco a cidade vazia e a casa dos amigos.

Embora eu não goste do espírito excessivo do carnaval, ainda consigo curtir um sambinha ou outro, principalmente as coisas mais pra baixo, de fossa, samba canção, e as marchinhas são sempre divertidas.

Então para não passar em branco, fiz uma seleção de sambinhas bizarros, fantásticos e divertidos, para você ir se aquecendo antes de sair de casa.




Já começamos quebrando tudo com esse grupo de pagode japonês, que tem alguns clipes no Youtube. As letras parecem ter sido feitas no Google Translator, e não dá para entender o que eles pretendiam dizer com a mensagem original… "Que cor é seu sangue, porra?!"



Continuando no Japão temos Cornelius, um artista tropicalista que fez uma versão lounge divertidíssima do clássico de Ary Barroso.


Outro hit brasileiro lá fora é o Tico Tico no Fubá, que foi eternizado por Carmen Miranda e eu já vi em show de drag até na Rússia. A versão do Three Caballeros, da Disney é antológica.


Para quem é literato, vale conferir a marchinha de Mário Lago - "Caluda Tamborins" - numa grande interpretação do Eduardo Dussek. (Na dúvida, consulte o Aurélio).



Falando em Dussek, fui eu que apresentei a ele essa marchinha do Zé do Caixão (que ele tocou no programa do Mojica e me citou inclusive). É um clássico aqui de casa.


Para o povo hipster, temos a marchinha psicótica do saudoso Júpiter Maçã, indispensável.


Entrando em terrenos (ainda) mais bizarros, um sambinha branco de gay...


E para quem exagerou no lança (e no ácido, na bala, na birita), tem o samba do Felipe Smith Seu Cu!



Não poderia esquecer do clássico...



E para encerrar, um dos meus favoritos, realmente. Letra de chorar. E a interpretação do Cauby (com Paulinho da Viola) é matadora. "Canteeeeei, canteeeei… essa felicidade ainda".

Juízo, criançada!

03/02/2016

MURDIDAS



Tem acompanhado o canal do Murilo?

Desde que acabou o Masterchef ele tem feito eventos de gastronomia por aí e mantém seu canal no Youtube.



Os últimos vídeos, da série de verão, foram gravados no famoso Solar Biofobia. Infelizmente o cabeção esqueceu todos os equipamentos em São Paulo e teve de gravar com o celular (com uma qualidade bem mais ou menos), mas as receitas eu provei e aprovei.




Não posso deixar de falar que desde novembro ele conta com a participação especialíssima do MURDIDO, seu mascote (uma mistura de Louro José + Huguinho com ácido), que eu trouxe especialmente de Londres.



Coloco alguns dos meus episódios favoritos dos dois. (Inscreva, compartilhe, dê joinha.)












UM ANO TREVOSO

Saindo do poço... Não foi fácil para ninguém, não se engane. Não foi fácil para mim. Estava revendo há pouco minhas retrospectivas de a...